II Oficina do Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônicos

II Oficina do Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônicos

O Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônico (GEDEL), no dia 7 de Julho de 2017, ofereceu em parceria comem parceria com a Escola Judicial do TRT3, PRUNART-UFMG (Programa de Apoio às Relações de Trabalho e à Administração da Justiça), IRIS (Instituto de Referência em Internet e Sociedade), GNET/UFMG (Grupo de Estudos Internacionais de Propriedade Intelectual, Internet e Inovação), OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e AMAT (Associação Mineira dos Advogados Trabalhistas), na modalidade presencial, a II Oficina do Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônicos –  GEDEL: Democracia e Direito no contexto do Big Data, da Inteligência Artificial e da Linguagem Maquinal (Link para ppt).

A oficina foi ministrada pelo Desembargador do TRT 3ª Região, José Eduardo de Resende Chaves Júnior, pelo Professor Associado da Universidade Federal de Minas Gerais, Francisco Carlos Marinhopelo Cientista da Computação, Leonardo da Silva Souzapelo Engenheiro Agrônomo, Carlos Barbieri e pelo Professor das cadeiras de Informação e Contrainformação do MBA em Gestão de Negócios da Faculdade Unimed, Cláudio Andrade Rego.

Link para o video da Oficina.

II Oficina do Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônicos

II Oficina do Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônicos

Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônico (GEDEL), no dia 7 de julho de 2017, oferecerá em parceria comem parceria com a Escola Judicial do TRT3, PRUNART-UFMG (Programa de Apoio às Relações de Trabalho e à Administração da Justiça), IRIS (Instituto de Referência em Internet e Sociedade), GNET/UFMG (Grupo de Estudos Internacionais de Propriedade Intelectual, Internet e Inovação), OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e AMAT (Associação Mineira dos Advogados Trabalhistas), na modalidade presencial, a II Oficina do Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônicos –  GEDEL: Democracia e Direito no contexto do Big Data, da Inteligência Artificial e da Linguagem Maquinal .

A oficina vai ser ministrada pelo Desembargador do TRT 3ª Região, José Eduardo de Resende Chaves Júnior, pelo Professor Associado da Universidade Federal de Minas Gerais, Francisco Carlos Marinho, pelo Cientista da Computação, Leonardo da Silva Souza, pelo Engenheiro Agrônomo, Carlos Barbieri e pelo Professor das cadeiras de Informação e Contrainformação do MBA em Gestão de Negócios da Faculdade Unimed, Cláudio Andrade Rego.

Local: Auditório do TRT-MG (Avenida Getúlio Vargas, 225 – 10º andar – Funcionários – BH/MG)

Para conferir um pouco sobre o primeiro encontro: Link

I Oficina do Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônicos

I Oficina do Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônicos

O Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônico (GEDEL), no dia 31 de março de 2017, ofereceu em parceria comem parceria com a Escola Judicial do TRT3, PRUNART-UFMG (Programa de Apoio às Relações de Trabalho e à Administração da Justiça), IRIS (Instituto de Referência em Internet e Sociedade), GNET/UFMG (Grupo de Estudos Internacionais de Propriedade Intelectual, Internet e Inovação), OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e AMAT (Associação Mineira dos Advogados Trabalhistas), na modalidade presencial, a I Oficina do Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônicos –  GEDEL: Democracia e Direito no contexto do Big Data, da Inteligência Artificial e da Linguagem Maquinal (Link para ppt).

A oficina foi ministrada pelo Professor Adjunto de Direito Internacional da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, Fabrício Bertini Pasquot Polido, pelo Professor Associado da Universidade Federal de Minas Gerais, Francisco Carlos Marinho e por meio de videoconferência, o Professor Adjunto do Instituto Politécnico de Beja, em Portugal, Manuel Davi Masseno. Em conjunto com esses também participaram os pesquisadores e professores da Universidade Federal de Minas Gerais Leonardo Souza e Virgílio Vasconcelos.

Link para o video da Oficina.

 

Projeto Teogonia

Projeto Teogonia

O poema mitológico “Genealogia dos Deuses”, escrito por Hesíodo, mostra como o universo surgiu a partir do caos, e, deu origem a vida. Esse poema foi o escolhido para protagonizar o projeto, coordenado pelo professor Francisco Marinho, com o objetivo de unir duas vertentes: artes digitais e cinema de animação.

             Dessa forma, como no mito cosmogônico, ainda estaria no vazio essa junção entre arte digital e cinema de animação. A partir desse projeto percebe-se o resgate desta união, dando origem a novos caminhos para as duas áreas. Através da performance artística, que se comunica com a animação e a musicalidade, o projeto cria uma proposta de arte que representa bem o poema escolhido.

            Foram feitas três interpretações sobre o poema, através de animações, cada qual produzida por um artista do grupo de pesquisa do 1maginari0s, Marcos André Penna Coutinho, Alessandro Ribeiro e Italo Travenzoli. Primeiramente eles estabeleceram a ordem dos atos, que no total se contam nove, e assim cada qual fez um storyboard, para depois começar a produzir a animação. Eles utilizaram da linguagem processing, uma linguagem de programação voltada para artistas, e uma de suas bibliotecas, a J4K, anteriormente já pesquisada pelo aluno Flavio Haueisen, para capturar os movimentos através do kinnect e passá-los para o código. As imagens foram todas produzidas a partir das ferramentas do processing, cada artista tendo tido um olhar diferente sob o poema, como o Alessandro que baseou sua obra numa molécula de DNA, pelo surgimento da vida.

Animação pelo professor Alessandro Ribeiro
Animação Interativa pelo professor Alessandro Ribeiro

                A parte musical foi criada por Leandro Souza, doutorando de música na UFMG, que produziu sons para cada cena, e, para os movimentos mais bruscos. Um dos sons utilizados, por exemplo, foi o tilintar de sinos na cena em que Cronos ,nasce dando assim um tom mais austero a essa cena. A partir desses detalhes ele conseguiu diferenciar bem os momentos para o espectador da proposta. Ele utilizou de uma linguagem chamada Pure Data (PD), que é uma linguagem visual de programação voltada para a música, e com ela conseguiu conectar as cenas aos sons anteriormente produzidos.

              A performance artística foi executada por Maria Paula Ferreira Carvalho, estudante de dança na UFMG, que para cada animação fez uma coreografia diferenciada. Primeiramente, a partir de sua interpretação do poema, juntamente com Leandro, ela criou alguns movimentos bases, e levando em conta que cada uma das animações respondia de forma diferente a seus movimentos, ela desenvolveu movimentos diferentes para cada uma.

Performance da aluna Maria Paula
Performance da aluna Maria Paula

              Esse projeto, ao unir essas duas vertentes do curso, em junção da performance e da musicalidade, consegue levar o espectador a vivenciar uma nova experiência da história do poema. A partir da interpretação que os artistas deram a ele, tanto no visual, quanto no musical, é possível vivenciar a origem do mundo, contado pelos gregos, de forma pictórica.

Projeto de Extensão Circuito Cultural Vieira Servas

O “Circuito Cultural Vieira Servas” é uma iniciativa da Pró-Reitoria de Extensão (PROEX) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Fundação Rodrigo Melo Franco de Andrade (FRMFA) em parceria com a Associação dos Municípios da Microrregião do Médio Rio Piracicaba (AMEPI), formulada a partir de demandas de estruturação de um circuito cultural, apresentadas por gestores públicos e representantes da sociedade civil por ocasião de diversos contatos e articulações realizados junto às administrações locais, conselhos de cultura e patrimônio, entidades da sociedade civil e grupos culturais, em 2012.

O grupo 1maginári0 participa deste projeto realizando oficinas de extensão em municípios do circuito.

Mais informações podem ser encontradas no site: https://www.ufmg.br/vieiraservas/

Oficina MIT App Inventor 2 + Arduino

Essa oficina tinha como objetivo despertar no público-alvo o interesse por programação e computação física através de ferramentas de código livre (software e hardware livres). Ao final, foi produzido um aplicativo para dispositivos móveis Android apto a controlar um dispositivo elétrico/eletrônico (robô/carro).

Ela se realizou na cidade de São Domingos da Prata nos dias 24 a 27 de Junho de 2014, no âmbito do Circuito Cultural Vieira Servas.

Veja o material da oficina:

Oficinas Festival Vivo arte.mov – BH 2012

OFICINA URBANREMIX

Dias: 26 de Abril, quinta-feira
Horário: 14h às 17h
Local: Laboratório de Mídia – Conservatório da UFMG
Capacidade: 10 pessoas
Pré-requisito: saber inglês – oficina ministrada em inglês

UrbanRemix é um projeto colaborativo e locativo de som criado pelos professores Jason Freeman, DiSalvo Carl, e Michael Nitsche. O projeto convida os participantes a explorar e expressar a identidade acústica de seu entorno, descobrindo, gravação e remixando sons. Utilizando aplicativos de software para celulares, os participantes irão capturar os sons do ambiente, fazendo com que esses tornem-se base para remixes musicais. Através do projeto, espaços aparentemente familiares são reformulados e é criada uma nova experiência com paisagens sonoras únicas.

Em uma colaboração com o Festival Vivo arte.mov, o Urban Remix convida os participantes da oficina a capturar e contribuir sons de bairros locais, usando os aplicativos gratuitos para iPhone UrbanRemix / iOS e Android. Usando o site UrbanRemix, qualquer um, em qualquer lugar pode explorar os sons, contribuírem on-line, visualizá-los em um mapa virtual de Belo Horizonte, e misturar e compartilhar seus próprios sons.

UrbanRemix é gratuito. Para baixar o iOS ou Android, procure por “UrbanRemix” na iTunes App Store ou Android Market. Para obter mais informações sobre UrbanRemix visite : http://urbanremix.gatech.edu/

OFICINA ARTVERTISER

Dia: 25 e 27 de Abril, quarta e sexta-feira
Horário: 10h às 16h
Local: Laboratório de Mídia – Conservatório da UFMG
Capacidade: 10 pessoas
Pré-requisito: saber inglês – oficina ministrada em inglês

O Artvertiser imagina um futuro próximo onde a publicidade no espaço público pode ser substituída por arte. É um projeto urbano de realidade aumentada, que consiste em dispositivos binoculares portáteis especialmente criados através de um software para o projeto. O Artvertiser destaca a unilateralidade de leitura de imagens dos espaços públicos para ser lida de uma forma diferente e criticamente envolvente. Durante o workshop, os participantes irão criar obras visuais para substituir anúncios urbanos em Belo Horizonte em tempo real utilizando técnicas de visão por computador desenvolvido por Julian Oliver, Stewart e Damian Castro Arturo.

Em uma colaboração com o Festival Vivo arte.mov, o Artvertiser irá ministrar um workshop destinado a artistas e estudantes que têm interesse em Realidade Aumentada, “adbusting” e “culture jamming” (subversão publicitária e remix cultural). O tema principal do workshop é desenvolver e implantar comentários gráficos críticos sobre o impacto da publicidade sobre a cultura visual das nossas cidades.

O trabalho feito durante o workshop será apresentado em um passeio público nas ruas de Belo Horizonte, utilizando as “Unidades Artvertiser de intercepção Billboard”, – binóculos digitais especialmente criados e que transformam anúncios em arte.

Artvertiser é um projeto de Julian Oliver, Stewart e DamianCastro Arturo. Desde a sua primeira apresentação no festival de Berlim 2010 Transmediale, Artvertiser tem sido apresentado em Bruxelas, Roterdã, Madri e Helsinki.

Oficina Desenvolvimento de aplicativos para Televisão Digital

Promoção: CNPq/Labmídia-UFMG/Repia
Apoio: EEE/UFMG, Conservatório/UFMG

Dias: 15 a 18/02/2011
Horário: 08h30 às 13h30
Local: Laboratório de Mídia – Conservatório da UFMG

Professor: Orlewilson Bentes Maia – Universidade Federal do Amazonas – Aluno de Doutorado em Engenharia Elétrica – UFMG
Assistente: Manuel Guerra – Kabun/Repia
Monitor : João Paulo EEE-UFMG/Labmidia

Objetivo: Apresentação de linguagens e ambientes informatizados para criação de
aplicativos para desenvolvimento de conteúdo para TV Digital, com interatividade
e conectividade, visando a complementariedade da web e telefonia celular.
Apresentar o ambiente de desenvolvimento para TV Digital brasileira utilizando o
middleware Ginga, exemplificado em linguagem Nested Context Language (NCL), na
criação de aplicativos.